Edgar Dias (tarota e voz), Hélder Martins (gralla e voz), José Favaios (percussão e voz), Sérgio Favaios (gaita de foles e voz) e Vítor Lamas (Rabel) são os cinco elementos que fazem parte do grupo aguiarense “Al Medievo”. Criado em 2010, “depois de maturar algumas ideias sobre a constituição do grupo e os instrumentos a utilizar”, o grupo tem “um diversificado repertório instrumental e instrumental/vocal, da época medieval, ao qual imprime muita vitalidade, conseguindo, simultaneamente, criar distintas atmosferas musicais”.

Os “Al Medievo” podem atuar em diferentes contextos, como sendo feiras e mercados medievais, animação de rua, entre outros. O que os move é o gosto pelo vasto legado histórico-cultural medieval, com o qual pretendem, sobretudo, “fruir e fazer fruir de tão rica e peculiar música”.

O seu primeiro trabalho discográfico intitulado “Chantons et Buvons”; foi gravado em 2013 e apresentado ao vivo no Teatro de Vila Real e nas FNAC’s do grande Porto.

A poucos meses de o concelho de Vila Pouca de Aguiar assinalar os 500 anos do foral das Terras de Aguiar, falamos com o grupo que se inspira na época medieval, para produzir música na era digital.

 

Como surgiu a iniciativa de formar uma banda a partir de um conceito medieval e de música tradicional/folk?

Para recuarmos até à génese do projeto teremos de recuar cerca de uma década e situarmo-nos na Escola EB 2,3 de Vila Pouca de Aguiar, onde foi realizada uma atividade relacionada com a construção de uma réplica do pelourinho de Alfarela de Jales, em que participaram os grupos disciplinares de Educação Visual e Tecnológica, História e Educação Musical, tendo sido incumbido a este último a missão de liderar a apresentação de alguns temas musicais da época do referido pelourinho. Como o feedback das pessoas que assistiram às apresentações foi bastante positivo e os diversos elementos do grupo gostavam de fazer música antiga, este perdurou mais algum tempo, tendo chegado a realizar diversos espetáculos dentro e fora do nosso concelho. Todavia, acabaram por se sobrepor alguns constrangimentos de ordem pessoal/familiar que se manifestavam na dificuldade de ensaiar. Simultaneamente, os instrumentos que utilizávamos na altura eram bastante limitativos, devido ao pouco volume sonoro que tinham, o que dificultava ou impedia a realização de apresentações ao ar livre. Deste grupo, “Medievo e Outras Cousas”, fizeram parte: Albertino Saraiva, José Saraiva, Vítor Lamas, Lídia Freitas, Edgar Dias, Sérgio Favaios e José Favaios.

No início de 2010, motivado pela existência de dois novos instrumentos musicais de música antiga, surgiu então o Grupo Al Medievo, do qual passou a fazer parte Hélder Martins, para além de Vítor Lamas, Edgar Dias, Sérgio Favaios e José Favaios.

(…)

Reportagem completa na versão impressa

Edição nº 113

Comentar

Please enter your comment!
Please enter your name here