Arlindo Sousa Ribeiro – Presidente da Junta de Freguesia de Telões

Telões é uma freguesia de Vila Pouca de Aguiar com 1485 habitantes, cerca de dois mil eleitores, e muita dinâmica associativa. Inclui no seu território os seguintes lugares: Carrica, Castelo, Gralheira, Ferreirinho, Outeiro, Pontido, Soutelinho do Mezio, Souto, Telões, Tourencinho, Vila Chã e Zimão, e quase todas as aldeias têm a sua coletividade.

Arlindo Sousa Ribeiro é o autarca, eleito pelo segundo ano consecutivo, que considera desafiante o cargo que ocupa, mais de proximidade com a população e de muita responsabilidade. A Junta de Freguesia está aberta sete dias por semana, e proporciona aos cidadãos vários serviços. O gabinete de apoio ao munícipe possibilita o pagamento de contas, luz, água, gás, telefone etc, e está aberto todos os dias úteis à tarde. Há também o gabinete de enfermagem, ao fim de semana, no qual as pessoas medem os diabetes, o colesterol, entre outros cuidados de saúde, e uma sala de computadores, para o acesso à internet a qualquer hora da tarde. “Embora estejamos relativamente perto da sede de concelho – cerca de quatro quilómetros – os serviços têm tido muita procura. Não há um dia em que não venha ninguém”, registou.

Apesar de ser uma freguesia essencialmente rural, há uma homogeneidade entre a população em idade ativa e a população idosa. Resulta desse facto a existência de, pelo menos, oito associações em atividade. Existe em Tourencinho a Tourencius dos Xudreiros, a de São Tomé da Gralheira, Vale de Aguiar em Telões, a Banda do Pontido, Souto e Outeiro, uma outra em Vila Chã e duas em Soutelinho do Mezio.

Telões2

Património multicultural

Em Telões é possível visitar a Capela do Divino Salvador, Capela da Senhora das Dores com Capelinha do Padre Manuel do Couto, Capela do Santíssimo Sacramento, Parque de Lazer e Poços das Mainhas. No Castelo, o Povoado Pré-histórico, Centro interpretativo e  Castelo de Aguiar. No Pontido, a Casa de Música do Pontido, Capela de Santo António, Casa da Nogueirinha e Capela da Casa da Nogueirinha. Em Outeiro, o Complexo de moinhos eólicos e Capela de Nossa Senhora de Fátima. No Souto, o Complexo de moinhos eólicos, Canastros e Capela de São Bartolomeu. Em Soutelinho do Mesio, a Cama dos Mouros, Necrópole Medieval, “Ateliê” de Escultura e Capela de Santa Bárbara. Ainda em Tourencinho, o Miradouro natural da Senhora do Extremo, Capela de Nossa Senhora do Extremo, Capela de São Sebastião, Santa Luzia, Senhor do Milagres / São Jorge e Posto de Vigia do Cabreiro. Em Vila Chã, Canastros, relógios do sol, alminhas, cruzeiros, solares, Capela de São Lourenço e Quinta dos Ferreiros. Na Gralheira a Capela de São Tomé e por fim em Zimão, a Capela de Nossa Senhora da Luz e Capela de São Gonçalo.

É em Telões que se localiza o antiquíssimo Castelo de Aguiar, a partir do qual se constituiu a terra de Aguiar e, posteriormente, o concelho de Vila Pouca de Aguiar. Este Castelo, edificado provavelmente entre os séculos XI e XII, foi um local importante para D. Afonso Henriques, na complicada tarefa de tornar o Condado Portucalense independente. Pensa-se que o tenente do Castelo de Aguiar era partidário do primeiro monarca português, daí que a região tenha sido cercada por uma força leonesa que pretendia obrigá-lo a obedecer ao rei de Leão. Então, D. Gonçalo Mendes de Sousa, companheiro de armas de D. Afonso Henriques, foi socorrer as gentes do Castelo de Aguiar. A partir de 1258, esta fortificação começou a perder importância, tendo sido abandonada, entre os finais do século XV e o ano de 1527.

(…)

Reportagem na integra na edição nº 15 de 16 de dezembro de 2014

Comentar

Please enter your comment!
Please enter your name here