Estudo da Pordata analisa dados sobre o concelho de Vila Pouca de Aguiar

Local

A PORDATA, uma base de dados estatísticos certificados sobre Portugal, divulgou por ocasião do feriado municipal de Vila Pouca de Aguiar, que se celebrou ontem, dia 22 de junho, dados estatísticos do concelho aguiarense entre os anos de 2010 a 2018.

Considerando um período de crise profunda, que teve o seu pico em 2013, ano em que Portugal esteve sujeito a austeridade, verifica-se uma ligeira perda de população residente em Vila Pouca de Aguiar, à semelhança do que aconteceu no resto do país

Assim sendo, o concelho perdeu mais de 1000 residentes nos últimos oito anos. Os dados mais recentes, revelam que a população baixou de 13.323 residentes para 12.053. A acompanhar estes números, acresce a descida da percentagem de jovens com menos de 15 anos residentes no concelho, sendo que, em 2010 era de 12,1% e, no período homologo do ano de 2018, a percentagem rondava os 8,9%.

Em relação aos residentes com 65 ou mais anos, a percentagem cresceu, seguindo a tendência que se verifica em todo o território nacional. Em oito anos, o número de idosos naquela faixa etária, em Vila Pouca de Aguiar, cresceu, passando dos 26% da população para 30%.

O Índice de Envelhecimento Populacional no concelho, que tem em conta a população idosa por cada 100 jovens, passa de 214, em 2010, para 338.

Outro dado positivo nos indicadores, é a diminuição da criminalidade no concelho de Vila Pouca de Aguiar. Contas feitas, os crimes registados pela polícia por mil habitantes passaram de 36% para 26,1%.

Subiu o número de empresas, desceu o número de desempregados

Ao nível empresarial, em 2018 foram registadas mais empresas do que em 2010, dado que, em oito anos, passaram de 1.184 para 1.704.  Acompanhando a mesma tendência de subida, registam-se 3.285 pessoas ao serviço dessas empresas, em 2018, face às 2.555 existentes em 2010.

Quanto aos alojamentos turísticos, em 2018 existiam no concelho 7 alojamentos turísticos, mais quatro do que em 2010. De referir que, em 2018, os dados já incluem as novas unidades de Alojamento Local e os estabelecimentos do turismo no espaço rural.

No que toca ao emprego, houve uma descida de beneficiários de Rendimento Social de Inserção, de 668 para 448 indivíduos, assim como de desempregados inscritos no centro de emprego, de 759, em 2010, para 519, em 2018.

Salário médio no concelho é de 967 euros

No concelho de Vila Pouca de Aguiar, o ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem no território concelhio, passou de 741 euros, em 2010, para 967 euros em 2018, seguindo também ao aumento nacional. O valor médio de avaliação bancária da habitação foi de 787 € por m2 , 405 euros inferior à média nacional.

Por fim, no que respeita à diferença entre a receita e a despesa do orçamento municipal, ao longo dos oito anos do estudo, em 2018, o saldo financeiro positivo da Câmara Municipal corresponde a receitas no valor 16.247 milhares de euros e despesas na ordem 16.070 milhares. Das despesas municipais, 14,5% foram destinadas à cultura e desporto, valor inferior ao de 2010 (5% do total). De referir, ainda, que 3% das despesas do município são relativas ao ambiente.

DP

Relacionadas

Colisão em Vila Pouca de Aguiar faz dois feridos
Padre Norberto Portelinha faleceu aos 92 anos

Autor

Menu