Mensagem de Páscoa do Bispo da Diocese de Vila Real

Data:

A festa da Páscoa é o momento alto do ano, quer no ciclo da liturgia quer no percurso das nossas vidas. É o centro donde irradia a luz, o primeiro dia que ilumina todos os outros dias. Embora celebrada, este ano, debaixo das sombras de uma pandemia, com as consequentes limitações no encontro das famílias e nas festivas exteriores, a Páscoa não perde nem fica diminuída no seu significado. Pelo contrário, neste contexto em que se têm acentuado o desejo de liberdade, a ânsia de vida mais partilhada e a expectativa de um futuro com horizontes mais abertos, o acontecimento pascal evidencia-se como a resposta de Deus às esperanças humanas.

Os cristãos proclamam que Jesus, ressuscitado dos mortos ao terceiro dia, segundo as escrituras, foi confirmado pelo Pai como o Messias, o Cristo. A esta luz, Jesus de Nazaré já não é uma vida passada, uma história encerrada ou uma palavra dita. Dado que ressuscitou e está vivo, Ele está sempre presente, a sua vida continua a ser alimento, a sua história a servir de inspiração e a sua palavra a ser de salvação para hoje.

A experiência fundamental da Páscoa é a do encontro com Cristo vivo. Assim sucedeu, segundo os evangelhos, com todos aqueles e aquelas que foram surpreendidos com a novidade daquela presença inesperada. Foi o caso das mulheres e dos  discípulos e ainda daqueles dois que, a caminho de Emáus, descobriram Jesus como companheiro de viagem, sentiram como as suas palavras faziam arder o coração e abriram os olhos para a sua nova forma de presença no pão partido.

Para todos nós, membros desta Igreja diocesana de Vila Real, celebrar esta Páscoa é uma oportunidade para o encontro com Cristo vivo e ressuscitado. A vivência desta festa com menos sinais exteriores favorece uma celebração mais espiritual do mistério que ela celebra e ajuda a um encontro mais profundo com Cristo. O mais importante é estar disponível para esse encontro com o Ressuscitado que é sempre, como atestam os evangelhos, gerador de alegria e paz e tem um efeito transformador da vida. É Ele que verdadeiramente nos pode libertar do medo e da angústia, é a sua ressurreição que nos abre a possibilidade da vitória definitiva sobre o mal e sobre a escuridão da morte.

A celebração desta Páscoa deverá produzir um forte impacto nas comunidades cristãs. Elas são chamadas a tomar mais consciência de que na sua raiz está Páscoa do Senhor e de que são o lugar em que Ele se faz presente. Em plena pandemia que afetou muito a vida e atividade das comunidades, seria desejável que na celebração pascal se renovassem as energias espirituais de todos os seus membros, traduzidas num maior entusiasmo e dinamismo pastorais. Fazem falta comunidades com verdadeiro estilo pascal, lugares de encontro e partilha de uma fé alegre. Elas são necessárias para ligar e comprometer mais os fiéis batizados e indispensáveis para que acolher todos aqueles que procuram um lugar para fazer uma autêntica experiência de encontro com Cristo vivo.

A liturgia que atinge a expressão mais elevada da sua beleza nas celebrações pascais, é por excelência um lugar de encontro com Cristo vivo e ressuscitado. Aquele que prometeu  «onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles» (Mateus 18,20), é sempre o centro da vida das comunidades. Desde a comunidade mais pequena ou simples de uma aldeia até à mais populosa de uma vila ou cidade, é o mesmo Senhor que congrega, o mesmo tesouro de fé que se celebra. Impõe-se por isso a necessidade de não poupar esforços para que as liturgias sejam mais dignas e bem preparadas, mais vivas, autênticas e festivas. Celebrações mais pascais, sinais da presença de Cristo vivo.

Nos nossos dias, uma autêntica vivência da Páscoa deverá suscitar ainda o reconhecimento do rosto do outro como nosso irmão. O Cristo pascal manifesta-se de modo preferencial no rosto do nosso irmão mais pobre, doente ou sem-abrigo. Aquele que disse: «Sempre que o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25,40), desafia-nos a viver uma fé pascal que concretize em gestos de caridade. Estes tempos difíceis, em que à nossa volta cresce o número de pessoas e famílias com dificuldades várias, a celebração desta Páscoa tem de se expressar na multiplicação de sinais de proximidade, de solidariedade e de autêntica fraternidade.

É uma graça celebrar a Páscoa deste ano, acolher o dom maior da salvação, a promessa de vida e liberdade que Jesus Cristo nos oferece. Dons ainda mais preciosos quando a cultura da vida é questionada, algumas liberdades parecem retroceder e o futuro surge com sombras. Com a confiança de que o Senhor Ressucitado está connosco, cheios do seu Espírito, renovemos o nosso compromisso pascal de (re)construir vidas humanas mais felizes, comunidades mais fraternas e sociedades mais livres e justas.

Que Jesus Cristo ressuscitado cumule a todos das suas graças e bênçãos. O Seu Espírito Santo nos encha de vida, nos ilumine com a sua sabedoria, fortaleza e paz. E Maria, Nossa Senhora da Conceição, nossa padroeira, interceda por nós. Uma Santa Páscoa para todos.

António Augusto de Oliveira Azevedo, Bispo de Vila Real

Partilhar

Últimas

Artigos relacionados
Relacionado

Casa da Eira: retiro edílico transformado em alojamento local

O pós-pandemia despertou os viajantes para os encantos de...

Autarquia com selo de mérito pelo Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais

O projeto da autarquia Aguiar Cuida foi reconhecido pelo...

Lançamento do Martelo: Joel Borges conquista medalha bronze em nacional sub-18

O atleta do CTM Vila Pouca de Aguiar, Joel...