ARS Norte apreensiva com o índice de transmissibilidade de Covid-19 na região

Alto Tâmega

O Presidente da Câmara de Boticas, Fernando Queiroga, participou, na passada sexta-feira, dia 30 de abril, em representação da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega (CIMAT), em mais uma reunião por videoconferência com a Autoridade Regional de Saúde (ARS) do Norte, para fazer um ponto da situação da evolução da pandemia na região.

A ARS Norte informou que a zona norte tem mais casos confirmados de infeção por Covid-19 do que outras regiões do país, devido ao elevado número de deslocações e contactos em ambiente familiar.

Com a passagem para a última etapa do plano de desconfinamento, a ARS Norte solicitou aos autarcas que estejam atentos e identifiquem rapidamente possíveis focos de contágio nos seus municípios, nomeadamente em instituições ou empresas com muitos trabalhadores, para que as autoridades de saúde possam atuar de forma célere e evitar a rápida propagação do vírus na comunidade.

A autoridade de saúde informou também que esta semana houve uma diminuição significativa no número de testes à Covid-19, comparativamente à semana anterior onde foram realizados em média cerca de 100 mil testes.

No que diz respeito à taxa de positividade encontra-se atualmente na região norte nos 0,8%, sendo que o rácio de transmissibilidade (Rt) está nos 0,98, o que na ótica da ARS Norte “é um valor muito preocupante e que merece toda atenção por estar muito próximo do 1%, o que se traduz num risco acrescido de transmissão do vírus”.

Por sua vez, Fernando Queiroga manifestou a sua insatisfação relativamente à forma como são feitos os cálculos que definem quais os concelhos que avançam ou recuam no plano de desconfinamento. “No caso concreto de Boticas, se continuar com sete casos ativos de Covid-19, na próxima semana dá um passo atrás no processo de desconfinamento. A atual taxa de incidência de 120 casos por 100 mil habitantes imposta pelo Governo é desadequada e prejudica gravemente os territórios de baixa densidade populacional”, disse o autarca, acrescentando que “tendo em conta tudo aquilo pelo qual os comerciantes e empresários já passaram, um recuo no plano de desconfinamento será desastroso para a economia”.

Nesse sentido, o autarca apelou à população que tenha cuidados redobrados e continue a cumprir as regras emanadas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente o uso obrigatório de máscara, a higienização frequente das mãos e o distanciamento físico, evitando-se ao máximo comportamentos de risco que coloquem em causa a saúde das populações e impliquem um retrocesso no processo de desconfinamento.

Por último, Fernando Queiroga solicitou que a ARS Norte análise a questão da vacinação dos condutores afetos aos transportes escolares não apenas das empresas públicas, mas também privadas, pelo contacto frequente que têm com os alunos, prevenindo-se assim possíveis surtos de Covid-19 nas escolas.

Local

Menu